sábado, 13 de junho de 2009

HIGIENE OCUPACIONAL – O QUÊ E PARA QUÊ?

 

HIGIENE OCUPACIONAL E A SAÚDE OCUPACIONAL

 

De acordo com a OMS ( Organização Mundial para a Saúde ), o conceito de saúde está associado ao bem-estar físico, social e mental do indivíduo, e não apenas à ausência de doença.

Nossa abordagem direciona-se para a saúde no ambiente de trabalho, ou seja, à Saúde Ocupacional, aqui entendida como a ausência, entre os trabalhadores, de desvios de saúde causados pelas condições de vida no ambiente de trabalho. Desta maneira, podemos dizer que a principal função da saúde ocupacional é promover a “vigilância da saúde” no ambiente de trabalho, o que significa não apenas olhar o indivíduo através do processo de medicina do trabalho como também olhar o ambiente em que este indivíduo desenvolve o seu trabalho. Assim concluímos que a saúde ocupacional será tanto mais real e completa, quanto mais sólidos forem os processos integrados de medicina e higiene ocupacional relativos a uma determinada atividade laboral.

 

CONCEITO DE HIGIENE OCUPACIONAL

O termo higiene industrial é a tradução literal de « Industrial Hygiene », usado sobretudo nos Estados Unidos onde é definido pela ACGIH (American Conference of Governmental Industrial Hygienists) como:

 

" A ciência e a arte devotadas à antecipação, ao reconhecimento, à avaliação e ao controle dos fatores ambientais e agentes 'tensores' originados no ou do local de trabalho, os quais podem causar enfermidades, prejuízos à saúde e bem estar, ou significante desconforto e ineficiência entre os trabalhadores, ou entre cidadãos da comunidade. "

O termo “antecipação” mostra a necessidade de buscarmos sempre identificar os potenciais riscos à saúde antes que uma determinado processo industrial seja implementado, ou modificado, ou que novos agentes sejam introduzidos no ambiente de trabalho.

O termo “reconhecimento” refere-se a toda análise e observação do ambiente de trabalho a fim de identificarmos os agentes existentes, os potenciais de risco a eles associados e qual prioridade de avaliação ou controle existe nesse ambiente de trabalho.

O termo “avaliação” designa principalmente as monitorações que serão conduzidas no ambiente de trabalho.

O termo “controle” está associado à eliminação ou minimização dos potenciais de exposição, antecipados, reconhecidos e avaliados no ambiente de trabalho considerado.

Estes termos expressam, resumidamente, o método de trabalho da higiene ocupacional: ANTECIPAÇÃO, RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO E CONTROLE.

 

De modo mais amplo, a “higiene” não se refere apenas ao ambiente industrial, mas a qualquer tipo de atividade laboral, sendo mais apropriado, na língua portuguesa, o termo higiene ocupacional. Observe-se que, embora o termo em língua inglesa seja “industrial”, não significa que ela seja aplicada apenas no ambiente industrial; ao contrário, cresce a cada dia o seu campo de atuação e a necessidade de estudar o ambiente de trabalho de forma multidisciplinar.

Obviamente ninguém precisa decorar a definição de higiene ocupacional, porém temos que saber esclarecer seu conceito para qualquer pessoa que nos pergunte. Eu freqüentemente uso uma seqüência de perguntas e respostas:

O que é higiene ocupacional?

            É a antecipação, o reconhecimento,  a avaliação e o controle....

De que?

            De riscos......

Que tipo de riscos? Qualquer risco?

            Aqueles causados por agentes tensores e fatores ambientais (tais com agentes físicos, químicos, biológicos, etc  ), e que possam causar efeitos indesejados

Para quem??

            Para Trabalhadores, em termos de integridade física e efeitos adversos à saúde......

Para Empregador, em termos de perdas que impactem sua produtividade, sua imagem, suas despesas e, assim o desempenho de seus negócios e, consequentemente sua competitividade..........

            Em resumo: Higiene Industrial

É:  Uma disciplina específica para gerenciamento de riscos no ambiente de trabalho

PARA:  Preservar a saúde e integridade física do trabalhador e

              Aumentar o desempenho dos negócios e a competitividade da empresa

 

MULTIDISCIPLINARIDADE E A HIGIENE OCUPACIONAL

 

Lembramos que hoje, os problemas e assuntos tem alcançado um grau de complexidade cada vez maior, em parte pelo crescente aumento do conhecimento (extensivo e intensivo). Tal situação não permite mais que um determinado “quadro” (situação, idéia, fato, processo, etc.) seja adequadamente avaliado através de uma única ótica, exigindo a integração de múltiplas visões.

            Dentro da própria proposta de método de trabalho acima citado, seria muito difícil que a disciplina de higiene ocupacional fosse auto-suficiente; ao contrário, seu pleno exercício tem intersecção com várias outras áreas, não apenas no sentido de utilizá-las com ferramentas, como também para fornecer-lhes informações sobre seus 'achados',  e, deste modo, alcançar o sinergismo multidisciplinar tanto procurado e incentivado nos processos de qualidade e de melhoria contínua.

    As principais áreas de intersecção com higiene ocupacional são:

       Medicina ocupacional

       Toxicologia ocupacional

       Prevenção de perdas

       Ecologia / Meio-Ambiente

      Engenharia de Processo e de Projeto

       Química analítica

       Legislação e normas regulamentadoras

       MSDS ou FISP( Folha de Informação de Segurança de Produto )

       Programas de transporte e de acompanhamento de produtos

       OUTROS

Um comentário:

  1. É importante a propagação desta conduta em relação à HO, pq dessa forma está fornecendo informação técnica suficiente para quem necessita conhecer e reconhecer os riscos que o exercício do trabalho possa representar para a saúde dos trabalhadores, de forma a antecipá-los, quantificá-los quando necessário, controlá-los ou eliminá-los, avaliando de forma continuada a eficácia das medidas adotadas.Parabéns, uma admirável iniciativa.

    ResponderExcluir